.arquivos

. Dezembro 2017

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Dezembro 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.posts recentes

. A Menina dos Fósforos - H...

. Sonho

. ...

. ...

. O Pássaro Chica-Amorica

. Tu

. A Boneca

. Sento-me

. ...

. Rosas que já tinham morri...

.Nosso Amor
carlosalberto
Sábado, 30 de Setembro de 2006
Poema Pouco Original do Medo

 

O medo vai ter tudo
pernas
ambulâncias
e o luxo blindado
de alguns automóveis

 

Vai ter olhos onde ninguém o veja
mãozinhas cautelosas
enredos quase inocentes 
ouvidos não só nas paredes 
mas também no chão 
no teto
no murmúrio dos esgotos 
e talvez até (cautela!) 
ouvidos nos teus ouvidos

 

O medo vai ter tudo 
fantasmas na ópera
sessões contínuas de espiritismo
milagres
cortejos
frases corajosas
meninas exemplares
seguras casas de penhor
maliciosas casas de passe
conferências várias
congressos muitos
ótimos empregos
poemas originais
e poemas como este
projetos altamente porcos 
heróis
(o medo vai ter heróis!) 
costureiras reais e irreais 
operários
(assim assim)
escriturários
(muitos)
intelectuais
(o que se sabe) 
a tua voz talvez 
talvez a minha 
com a certeza a deles

 

Vai ter capitais
países
suspeitas como toda a gente
muitíssimos amigos
beijos
namorados esverdeados
amantes silenciosos
ardentes
e angustiados

 

Ah o medo vai ter tudo 
tudo
(Penso no que o medo vai ter 
e tenho medo 
que é justamente 
o que o medo quer)

 

O medo vai ter tudo 
quase tudo 
e cada um por seu caminho 
havemos todos de chegar 
quase todos 
a ratos

 

Sim
a ratos

 

Alexandre O'Neill

publicado por contoselendas às 01:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 29 de Setembro de 2006
ANATOMIA (parte92)...

publicado por contoselendas às 23:45
link do post | comentar | favorito
|
Palavra puxa palavra

Palavra puxa palavra

Lá começa

A guerra

A guerra das palavras

A guerra das armas

 

Palavras que nos unem

Que nos desunem

Palavras que …

Poderiam ser abençoadas

Não fosse o mau uso

Que lhes damos.

 

Carlos Alberto

publicado por contoselendas às 10:23
link do post | comentar | favorito
|
Creio nos anjos que andam pelo mundo

Creio nos anjos que andam pelo mundo,
Creio na Deusa com olhos de diamantes,
Creio em amores lunares com piano ao fundo,
Creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes,

Creio num engenho que falta mais fecundo
De harmonizar as partes dissonantes,
Creio que tudo eterno num segundo,
Creio num céu futuro que houve dantes,

Creio nos deuses de um astral mais puro,
Na flor humilde que se encosta ao muro,
Creio na carne que enfeitiça o além,

Creio no incrível, nas coisas assombrosas,
Na ocupação do mundo pelas rosas,
Creio que o Amor tem asas de ouro. Ámen.

 

Natália Correia
publicado por contoselendas às 00:03
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Setembro de 2006
ANATOMIA (parte91)...

publicado por contoselendas às 12:11
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2006
...

A chuva regressou pela boca da noite
Da sua grande caminhada
Qual virgem prostituída
Lançou-se desesperada
Nos braços famintos
Das arvores ressequidas!

Nos braços famintos das arvores
Que eram os braços famintos dos homens...

Derramou-se sobre as chagas da terra
E pingou das frestas
Do chapéu roto dos desalmados casebres das ilhas
E escorreu do dorso descarnado dos montes!

Desceu pela noite a serenar
A louca, a vagabunda, a pérfida estrela do céu
Ate que ao olhar brando e calmo da manha
Num aceno farto de promessas
Ressurgiu a terra sarada
Ressumando a fartura e a vida!

Nos braços das arvores...
nos braços dos homens...

 

Onesimo Silveira – Poeta Cabo-verdiano

publicado por contoselendas às 23:37
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Setembro de 2006
A Criança Que Ri na Rua

A CRIANÇA que ri na rua, 
A música que vem no acaso, 
A tela absurda, a estátua nua,
A bondade que não tem prazo –

 

Tudo  isso excede este rigor
Que o raciocínio dá a tudo, 
E tem qualquer cousa de amor, 
Ainda que o amor seja mudo

 

Fernando Pessoa
publicado por contoselendas às 23:59
link do post | comentar | favorito
|
ANATOMIA (parte90)...

publicado por contoselendas às 00:22
link do post | comentar | favorito
|
...

fico admirado quando alguém, por acaso e quase sempre

sem motivo, me diz que não sabe o que é o amor.

eu sei exactamente o que é o amor. o amor é saber

que existe uma parte de nós que deixou de nos pertencer.

o amor é saber que vamos perdoar tudo a essa parte

de nós que não é nossa. o amor é sermos fracos.

o amor é ter medo e querer morrer.

 

José Luís Peixoto

 

publicado por contoselendas às 00:02
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Setembro de 2006
Passeio de Barco

    Nasrudim às vezes levava as pessoas para viajar em seu barco. Um dia, um pedagogo exigente contratou-o para transportá-lo ao outro lado de um rio muito largo. Assim que se lançaram à água, o sábio perguntou-lhe se faria mau tempo.
    - Não me pergunte nada sobre isto – disse Nasrudim.
    - Você nunca estudou gramática ?
    - Não.
    - Neste caso, metade de sua vida foi desperdiçada.
    O Mulla não disse nada. Logo desabou uma terrível tempestade. O pequeno e desorientado barco de Mulla começou a encher de água. Ele se inclinou para o companheiro.
    - Alguma vez você aprendeu a nadar?
    - Não – respondeu o pedante.
    -Neste caso, caro mestre, toda sua vida foi desperdiçada, pois estamos afundando.  

publicado por contoselendas às 11:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.favorito

. Mudam-se os tempos, mudam...

. Amor é fogo que arde sem ...

. Espectacular!

. Ser Transparente!

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds