.arquivos

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Dezembro 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.posts recentes

. Sonho

. ...

. ...

. O Pássaro Chica-Amorica

. Tu

. A Boneca

. Sento-me

. ...

. Rosas que já tinham morri...

. No Inicio ...

.Nosso Amor
carlosalberto
Sábado, 30 de Junho de 2007
Assim Flor

Assim nasceste-me

Flor, neste jardim

No qual eu alheio

Passava. Distraído,

Cego? Talvez!

Tu a mais bela

Entre as belas.

 

Contoselendas

publicado por contoselendas às 23:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 17 de Junho de 2007
Ninguém faz nada sozinho

         Pelos idos do século XV, em uma minúscula vila perto de Nuremberg , viveu uma família com dezoito crianças. Dezoito! Para manter comida sobre a mesa para toda esta multidão, o pai, um ourives por profissão, trabalhava quase dezoito horas diárias em seu comércio e algum outro servicinho que encontrasse na vizinhança. Apesar da condição aparentemente impossível, duas das crianças mais velhas tinham um sonho.  
         Ambos queriam perseguir seu talento para a arte, mas sabiam perfeitamente que seu pai nunca teria condição financeira para mandar qualquer um deles à Nuremberg , estudar na academia.
         Depois de muitas e longas discussões durante a noite, os dois meninos decidiram fazer um pacto. Lançariam uma moeda. O perdedor iria trabalhar nas minas e, com seu salário, pagava os estudos do irmão na academia. Então, quando o irmão vencedor terminasse os estudos, após quatro anos, reembolsava os estudos do outro irmão na academia, com a venda de sua arte ou, se necessário, também trabalhando nas minas.  
         Lançaram a moeda em uma manhã de domingo. Albrecht Durer ganhou e foi para Nuremberg . Albert foi trabalhar nas perigosas minas, pelos quatro anos seguintes, financiou seu irmão, cujo trabalho na academia foi um sucesso imediato. A arte de Albrecht superava, em muito a maioria de seus professores, e rápido se formou, já ganhava consideráveis comissões por seus trabalhos.
         Quando o artista voltou à sua vila, a família fez uma festa em sua homenagem para comemorar o retorno triunfante de Albrecht . Após uma refeição farta e memorável, com música e risos, Albrecht levantou-se de sua posição na cabeceira da mesa para propor um brinde a seu amado irmão, pelos anos de sacrifício que tinha permitido a Albrecht realizar seu sonho. Suas palavras foram:
         - E agora, Albert , meu irmão adorado, agora é a sua vez. Agora você pode ir à Nuremberg perseguir seu sonho, e eu cuidarei de você.
         Todas as cabeças giraram em ansiosa expectativa para a extremidade oposta da mesa onde Albert se sentou. Lágrimas humedeceram sua pálida face. Agitando a cabeça baixa repetiu,
         - Não... Não... Não... Não...
         Finalmente, Albert se levantou, limpou as teimosas lágrimas e, passando o olhar por todos à volta da mesa, disse suavemente:
         - Não, meu irmão. Eu não posso ir para Nuremberg . É muito tarde para mim. Veja o que quatro anos nas minas fizeram às minhas mãos! Os ossos de cada dedo foram despedaçados pelo menos uma vez, e ultimamente tenho sofrido de artrite.  
         Com minha mão direita mal consigo segurar um copo para retornar seu brinde, faço muito menos conseguiria traçar linhas delicadas, no papel ou na tela, com uma pena ou um pincel. Não, meu irmão... para mim é muito tarde.
         Mais de 450 anos se passaram. Agora, centenas de obras de Albrecht Durer estão expostas pelos grandes museus do mundo. E, provavelmente, lhe é familiar, tanto quanto para a maioria das pessoas, apenas um dos trabalhos de Albrecht Durer . Mais do que meramente familiar, talvez você tenha uma reprodução em sua casa ou escritório.
         Um dia, por respeito e admiração a Albert por tudo que tinha sacrificado, Albrecht Durer detalhadamente desenhou as maltratadas mãos de seu irmão com as palmas juntas e os finos dedos voltados para o céu. Chamou sua obra simplesmente de "mãos," mas o mundo inteiro, quase imediatamente, abriu seus corações para esta grande obra-prima e renomeou seu tributo ao amor de "Mãos em oração".

         Este texto cujo Autor desconheço recebi à dias por e-mail. Verdade ou Mentira não deixa uma pessoa indiferente.

publicado por contoselendas às 16:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Junho de 2007
Um Dia de Chuva

Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol.

Ambos existem; cada um como é.

 

Alberto Caeiro
publicado por contoselendas às 20:18
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 10 de Junho de 2007
Eu pedi a Deus

Eu pedi a Deus que tirasse meu orgulho.
E Deus disse não!
Não lhe cabia tirá-lo, mas a mim deixá-lo...

Eu pedi a Deus que me desse paciência.
E Deus disse não!
Ele disse que a paciência nasce das atribulações;
Ela não é concedida, é merecida...

Eu pedi a Deus que me concedesse felicidade.
E Deus disse não!
Ele disse que me daria Suas bênçãos;
A felicidade viria de mim mesmo...

Eu pedi a Deus que me poupasse do sofrimento.
E Deus disse não!
Ele disse que a dor afasta-me das ilusões da vida
e leva-me para mais perto d’Ele...

Eu pedi a Deus que me fizesse crescer minha vida espiritual.
E Deus disse não!
Ele me disse que eu deveria crescer sozinho,
mas Ele vai podar-me como um ramo, para que produza frutos...

Eu perguntei a Deus se Ele me ama.
E Deus disse sim!
Ele deu-me Seu Único Filho, que morreu por mim
E quer-me um dia no céu, pela minha Fé...

Então, pedi a Deus que me ajudasse
a amar os outros como Ele me ama.
E Deus disse:
"Finalmente compreendeste!"

 

Mafalda Veiga

publicado por contoselendas às 20:14
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 9 de Junho de 2007
ANATOMIA (parte119)...

publicado por contoselendas às 11:54
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Junho de 2007
Nosso romance

Houve um tempo

Em que tudo foram rosas

Flores….e tudo o que

Há de belo.

Entre nós existia

Uma harmonia, uma cumplicidade,

Um amor, uma Paixão.

Tudo que nasce também morre.

Foi bom enquanto viveu

Nosso romance

Pois minha paixão por ti

Só minha morte a levará

Para um lugar no

Paraíso

Mesmo que para tal

Tenha de prescindir do

Meu lugar

Se a isso tiver direito.

 

Contoselendas

publicado por contoselendas às 11:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Junho de 2007
Porque são o Futuro

Dia Mundial da Criança

1 de Junho

publicado por contoselendas às 12:01
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.favorito

. Mudam-se os tempos, mudam...

. Amor é fogo que arde sem ...

. Espectacular!

. Ser Transparente!

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds