.arquivos

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Dezembro 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.posts recentes

. Sonho

. ...

. ...

. O Pássaro Chica-Amorica

. Tu

. A Boneca

. Sento-me

. ...

. Rosas que já tinham morri...

. No Inicio ...

.Nosso Amor
carlosalberto
Sexta-feira, 25 de Agosto de 2006
Poema para o meu amor

Há voos de pássaros nos teus olhos castanhos de sereia

Batuques africanos no balouçar do teu corpo de gazela

Há frutos maduros na tumidez dos teus pequenos seios

E promessas loucas na humidade dos teus lábios entreabertos

 

Há como um tango argentino no desafio da tua cintura estreita

Há um doce encanto no urdir das tuas trancinhas de menina

Há estranhos sortilégios escondidos em tuas mãos de fada

E há rouxinóis magoados de cada vez que cantas

 

Há ondas de ternura neste teu jeito suave

E danças peruanas nas tuas ancas pela alba

Há calor dos trópicos no aperto dos teus braços tão sinceros

E uma paz das ilhas no teu macio leito de princesa

 

Há druidas, de novo, preparando filtros à sombra de carvalhos

E lagos privados onde nadam altivos cisnes brancos

E há luas de fajãs que riscam no mar trilhos de prata

E nascentes de água que brotam do teu riso cristalino.

 

 

Aníbal Raposo

publicado por contoselendas às 12:11
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.favorito

. Mudam-se os tempos, mudam...

. Amor é fogo que arde sem ...

. Espectacular!

. Ser Transparente!

.links
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds