Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos, Lendas e Poesia

Contos, Lendas e Poesia

29
Mai06

MÂEZINHA

contoselendas

A terra de meu pai era pequena

e os transportes difíceis.

Não havia comboios, nem automóveis, nem aviões,

                                                           nem mísseis.

Corria branda a noite e a vida era serena

 

Segundo informação, concreta e exacta,

dos boletins oficiais,

viviam lá na terra, a essa data,

3023 mulheres, das quais

45 por cento eram de tenra idade,

chamando tenra idade

à que vai desde o berço a puberdade.

28 por cento das restantes

eram senhoras, daquelas senhoras que só havia dantes.

Umas, viúvas, que nunca mais (oh! nunca mais!)

                                                  tinham sequer sorrido

desde o dia da morte do extremoso marido;

outras, senhoras casadas, mães de filhos…

(De resto, as senhoras casadas,

pelas suas próprias condições,

não têm de ser consideradas

nestas considerações.)

 

Das outras, 10 por cento,

eram meninas casadoiras, seriíssimas, discretas,

mas que, por temperamento,

ou por outra razão mais ou menos secretas,

não se inclinavam para o casamento.

 

Além destas meninas

havia, salvo erro, 32,

que à meiga luz das horas vespertinas

se punham a bordar por detrás das cortinas

espreitando, de revés, quem passava nas ruas,

 

Dessas havia 9 que moravam

em prédio baixos como então havia,

um aqui, outro além, mas que todos ficavam

no troço habitual que meu pai percorria,

tranquilamente, no maior sossego,

às horas em que entrava e saía do emprego.

 

Dessas 9 excelentes raparigas

uma fugiu com o criado da lavoura;

5 morreram novas, de bexigas;

outra, que veio a ser grande senhora,

teve as suas fraquezas mas casou-se

e foi condessa por real mercê;

outra suicidou-se

não se sabe porquê.

 

A que sobeja

chamava-se Rosinha.

Foi essa que meu pai levou à igreja.

Foi a minha mãezinha.

 

António Gedeão

29
Mai06

A CRIAÇÃO DA MULHER

contoselendas

Quando Deus quis formar Eva, tirou uma costela de Adão, Mas veio um cão (raposa, gato, etc.) e levou a costela. Deus correu atrás dele, e agarrando-lhe pela cauda fez dela a Mulher, dizendo:

 

                            Tanto vale fazer Eva

                            De uma costela de Adão.

                            Como de um rabo de cão.

 

( Ap. Leite de Vasconcelos, Vanguarda,nº39)

28
Mai06

Pequeno poema

contoselendas

Quando eu nasci,

ficou tudo como estava.

 

Nem homens cortaram veias,

nem o Sol escureceu,

nem houve Estrelas a mais...

Somente,

esquecida das dores,

a minha Mãe sorriu e agradeceu.

 

Quando eu nasci,

não houve nada de novo

senão eu.

 

As nuvens não se espantaram,

não enlouqueceu ninguém...

 

Pra que o dia fosse enorme,

bastava

toda a ternura que olhava

nos olhos de minha Mãe... 

 

Sebastião da Gama 
27
Mai06

Que poderei ao mundo já querer

contoselendas

Que poderei ao mundo já querer,

Que naquilo em que pus tamanho amor

Não vi senão desgosto e desamor

E morte, enfim, que mais não pode ser?

 

Pois vida me não farta de viver,

Pois já sei que não mata grande dor,

Se cousa há que mágoa dê maior,

Eu a verei que tudo posso ver.

 

A morte, a meu pesar, me assegurou

De quanto mal me vinha; já perdi

O que perder o medo me ensinou.

 

Na vida desamor somente vi,

Na morte a grande dor que me ficou:

Parece que para isto só nasci!

 

Luiz Vaz de Camões

26
Mai06

Um homem de Sorte

contoselendas

Muzzafar Jang, um lider rebelde do Sec.XVIII em Decan, na India, foi condenado à morte. Ataram-no à boca de um canhão e estava prestes a explodir em mil bocados quando, repentinamente, surgiu um mensageiro a cavalo. O governante que havia ordenado a sua execução tinha morrido e o seu sucessor…o próprio Muzzafar Jang!

A dado momento, prepara-se para sofrer uma morte horrível e, no momento seguinte, é o governante de trinta e cinco milhões de pessoas.

Pág. 1/6

Mais sobre mim

foto do autor

Fazer olhinhos

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Nosso Amor

carlosalberto

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D